O preço do petróleo e o sentimento dos investidores

Estudo sobre o tema foi disponibilizado no Hub de Estudos, plataforma de pesquisa bibliográfica sobre economia e meio ambiente

O estudo Investor Sentiment and the Price of Oil (O sentimento do investidor e o preço do petróleo, em tradução livre), de autoria de Mahmoud Qadan e Hazar Nama, publicado na revista Energy Economics de novembro de 2017, é destacado pelo Hub do Escolhas. Os autores da pesquisa apresentam evidências concretas de que fatores comportamentais são decisivos para as oscilações dos preços do petróleo, chegando mesmo a ser um dos principais impulsionadores das mudanças das suas cotações no mercado.

Com base em métodos paramétricos e na pesquisa de dados diários, semanais e mensais cobrindo um período de 30 anos (1986/2016), o estudo concluiu que o sentimento dos investidores tem efeitos significativos nos preços, o que ajuda a explicar a razão da imensa volatilidade das suas cotações. As principais descobertas do estudo são mais significativas após o período dos anos 2000, quando investimentos baseados em petróleo despertaram a atenção dos gestores de fundos de recursos no mundo. Confira o estudo completo aqui: http://ow.ly/JGTD30gKQC4.

Os dados do artigo colocam em dúvida a concepção dominante dos estudos sobre o tema, que consideram que os preços do petróleo são afetados apenas por fatores econômicos reais, não sendo possível considerar que elementos subjetivos, de natureza emocional, distantes de um cálculo racional e elaborado, possam interferir niso.

Decisão e racionalidade

É bom destacar que o artigo coincide com o momento em que o economista americano Richard Thaler recebe o prêmio Nobel de Economia de 2017, em razão dos seus estudos de economia comportamental que mostram que as pessoas não são sempre racionais, fazendo escolhas que também são influenciadas por questões subjetivas e culturais.

Para Thaler, o comportamento das pessoas afeta a economia, o que mostra que as tomadas de decisão não são tão simples assim como pensavam os economistas, afirmando: “um problema importante na teoria econômica tradicional é que os economistas descartam qualquer fator que não influenciaria o pensamento de uma pessoa racional.  Mas infelizmente para a teoria, muitos fatores considerados irrelevantes importam. Os economistas criaram um problema para eles mesmos ao insistir em criaturas míticas conhecidas como homo economicus. Eu prefiro chamá-los de ´Econs` – seres altamente inteligentes capazes de fazer os cálculos mais complexos e totalmente sem emoções. Pense no Spock de Star Trek. Um Econ não compraria uma porção maior do que quer que seja que ele irá jantar na terça-feira porque estava com fome no domingo enquanto fazia as compras. A fome no domingo não deveria ser relevante para a escolha do tamanho da sua refeição na terça-feira. Um Econ também não continuaria comendo após estar satisfeito na terça-feira só porque já pagou pela comida. Para um Econ, o preço pago em um item no passado não é relevante para a decisão de quanto comer hoje. Um Econ não esperaria ganhar um presente no dia em que, por acaso, nasceu ou se casou. Qual a diferença de uma data arbitrária? Na realidade, os Econs ficariam perplexos com a própria ideia de presentes, pois saberiam que dinheiro é o melhor presente possível, já que permite que a pessoa que recebe compre o que lhe é mais eficiente”.

Previsão de preços

Mas como é que esse sentimento pode influenciar o preço? Uma amostra disso pôde ser vista no recente frenesi que tomou conta dos analistas de investimentos para tentar cravar o preço do petróleo em 2018. A excitação decorria da expectativa do que viria da reunião que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) realizou para decidir se manteria ou não o acordo que limitava a produção, o que acabou ocorrendo (o corte foi prorrogado até dezembro de 2018).

A expectativa em torno da decisão da Opep alimentou uma forte especulação dos preços, explorando ao máximo a lei de que a menor oferta de um bem faz o seu preço subir. Uma empresa, CreditSights, chegou mesmo a montar “um modelo para saber quanto a expectativa sobre o acordo ajudou na valorização da commodity”.

A Opep fez esse acordo exatamente para tentar estancar a queda dos preços do petróleo, o que acabou provocando um rombo nas finanças dos grandes produtores, como é o caso da Venezuela.

Não bastasse isso, o risco geopolítico não cansa de incidir sobre os preços do petróleo. De 15% a 20% do preço atual poderia estar relacionado apenas a esse fator, segundo o analista Brian Gibbons, que não vê “fundamento econômico que justifique” os preços no atual patamar (Valor, página B1, 1 de dezembro de 2017).

Jim O’Neill, economista inglês, que ocupou o cargo de chefe de pesquisa em economia global do Goldman Sachs, conhecido por ter criado o termo BRICS para se referir às economias do BrasilÍndiaRússia, China e África do Sul, com “uma longa história analisando os altos e baixos dos preços do petróleo”, acredita que ele pode alcançar a cotação de US$ 80 daqui a um ano (o barril tipo Brent).

Como comentou o ClimaInfo, ao analisar a notícia da previsão de O’NeilI: “isso faria a felicidade de quem apostou no pré-sal. E a tristeza de quem quer que a temperatura global não suba mais do 1,5°C.” (Informativo do dia 28/11/2017, intitulado “Bola de cristal para o preço do petróleo em 2018”).

Toda vez que o preço do petróleo volta a subir, fica a dúvida se a velocidade da sua substituição como fonte de energia que move o mundo vai ser desacelerada. Como o uso dos combustíveis fósseis é a principal causa do aquecimento global, isso ajuda a entender o temor manifestado pelos analistas do ClimaInfo.

Inversão de expectativas

Mas, como estamos falando de sentimentos, expectativas e desejos, talvez o ideal fosse esperar o momento em que esses investidores pudessem também sofrer a influência dos receios sobre as ameaças provocadas pelo aquecimento global. Aí, quem sabe, as manchetes econômicas seriam redigidas assim: “Aumento do risco da mudança climática derruba cotações do petróleo nas bolsas”.

O estudo é um dos captados pelo Hub de Estudos do Instituto Escolhas, uma plataforma online de pesquisa bibliográfica sobre a temática Economia e Meio Ambiente. Com o objetivo de ser uma ferramenta para estimular a pesquisa dentro desses temas no Brasil, o Hub de Estudos inicia seu arquivo com trabalhos publicados em sete importantes revistas internacionais especializadas em Economia e Meio Ambiente, entre outros. Para acessar o Hub, clique aqui.