Brasileiros trocam transporte público por aplicativos de transportes

Enquanto alemães pensam em oferecer transporte coletivo gratuito, no Brasil, mais de 30% da população utiliza aplicativos de transportes, como o Uber, pelo menos duas vezes por semana

A Alemanha está estudando a implementação de um projeto para reduzir os congestionamentos e emissões de gases de efeito estufa (GEE): a expectativa é de que até o fim de 2018 cinco cidades possam oferecer transporte gratuito, segundo matéria publicada pelo O Globo. O Brasil, no entanto, caminha na contramão do incentivo ao transporte público e da mobilidade ativa. O transporte individual motorizado continua ganhando espaço: 49% da população que usa aplicativos de transportes, usava antes o transporte coletivo. Os dados são de pesquisa realizada pelo Ideia Big Data, a pedido do Instituto Escolhas e Instituto Clima e Sociedade (iCS).

A demanda crescente por esse tipo de modal pode ser explicada pela má qualidade dos serviços de transportes públicos oferecidos. De acordo com a pesquisa, que ouviu mais de três mil brasileiros de todas as regiões do país, as palavras mais associadas ao transporte público são péssimo (6%) e ruim (5%). Entre as dez palavras mais mencionadas não houve nenhuma positiva. O transporte privado, por meio de aplicativos, é utilizado por 32% dos entrevistados pelo menos duas vezes por semana, contra 57% de ônibus e 19% de trens e metrôs.

Segundo Sergio Leitão, diretor-executivo do Escolhas, as ruas das cidades não vão comportar todos os transportes individuais, o que pode gerar um problema de sustentabilidade financeira. “O transporte público depende do pagamento das tarifas e dos subsídios que são repassados. O que acontecerá se as pessoas deixarem de usar o transporte público? O subsídio terá que ser feito em maior escala e faltará dinheiro para isso. E o que pode ser feito?”, provoca. Para Leitão, a resposta está nos meios coletivos. “É preciso ter consciência que não será a solução individual que resolverá o problema da mobilidade nas grandes cidades. Mais e melhores transportes públicos são a solução”, afirma em vídeo.

A consciência sobre a importância do transporte coletivo, assim como a mobilidade ativa (deslocamentos feitos a pé e de bicicleta), já parece estar na mente dos brasileiros. Dados da pesquisa revelam que a maior parte da população brasileira busca melhorias nos sistemas de transportes públicos, e pretende votar em governantes que priorizem a recuperação de calçadas e praças (86%), construção ciclovias e ciclofaixas (82%) e aumento dos investimentos em trens e metrôs (82%) – considerando que mais de 70% da população faz viagens a pé e de ônibus (57%), contra 49% de carro. Além disso, 57% dos entrevistados são a favor de restringir vagas nos centros comerciais para que as pessoas sejam incentivadas a usar o transporte público.

A pesquisa mostra, ainda, que a preocupação dos brasileiros se estende para as questões relacionadas ao meio ambiente: 82% da população considera negativo o impacto de combustíveis fósseis na mudança do clima, 63% no sistema de transporte e 85% na qualidade do ar.

Apesar disso, o carro continua sendo o transporte ideal na visão dos brasileiros (30%), reflexo dos incentivos ao uso de transportes individuais e da falta de políticas públicas que beneficiem o transporte coletivo.

Acesse: Matéria do Globo, pesquisa Ideia Big Data e vídeo de Sergio Leitão.