Bolsista apresenta estudo sobre água virtual exportada no Matopiba

Estudo, apoiado pela Cátedra do Escolhas, foca na produção de soja na região e estima volume e valor da água contida em processo produtivo

Com o objetivo de estimar o volume e o valor da água virtual – água embutida no processo produtivo de qualquer produto – presente na exportação de soja da região de Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), a economista Jaquelini Gelain, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) e bolsista da Cátedra Economia e Meio Ambiente, do Instituto Escolhas, desenvolveu o estudo Estimativa do volume e do valor da água virtual exportada pela região de Matopiba. O estudo foi apresentado durante o XXIII Fórum Banco do Nordeste de Desenvolvimento e XXII Encontro Regional de Economia, no início de julho, no Ceará, Fortaleza.

De acordo com o artigo da pesquisadora, em 2002, a área cultivada de Matopiba representava pouco mais de 1 milhão de hectares e, em 2015, este número passou para quase 4 milhões – gerando um aumento de 198,47% na área plantada. Quanto a produção da soja na região, em 2002, havia pouco mais de 2 milhões de toneladas e, em 2015, superou 10 milhões, representando um aumento de 355,22%. Como resultado desse aumento, houve maior exportação do produto e, consequentemente, de água virtual contida na soja. Com relação à exportação, houve um aumento de 1.502,09%, em toneladas, e um aumento econômico de 3.173,25%, em dólares, quando comparados aos períodos final e inicial.

O estudo aponta, ainda, que a expansão da soja na região tem refletido em aumento na exportação. Em relação à água virtual, no período analisado, foram exportados 73.220,398 milhões de m3 de água – o equivalente a 28.288,159 piscinas olímpicas cheias. Quanto à cobrança pelos recursos hídricos, o estudo identificou o valor total de R$ 75.702.134,11, implicitamente exportados com a água virtual presente na soja em Matopiba.

Confira o estudo completo aqui.

Água virtual

Segundo o estudo, a água virtual pode ser definida como a água necessária para a produção de commodities agrícolas e o termo pode, também, ser expandido para produtos não agrícolas. A água virtual pode ser compreendida como a água incorporada em um produto durante o seu processo de produção – mais especificamente os alimentos são os que mais agregam quantidade de água ao longo de sua cadeia produtiva. O setor agropecuário é o que mais utiliza recursos hídricos na média – cerca de 70% da água é destinada para o setor.

Selecionado para o programa de bolsas da Cátedra Economia e Meio Ambiente, o estudo de Gelain é parte de sua pesquisa, cujo tema é a Análise do Custo-Benefício da Exportação de Água Virtual no Setor Agropecuário Brasileiro. Segundo a economista, a água virtual é um assunto relativamente novo no campo da economia, mas muito relevante para entender os impactos do uso da água no Brasil e no mundo.

O programa de bolsas da Cátedra, realizado pelo Instituto Escolhas, recebeu diversos projetos de pesquisa, os quais foram encaminhados para uma banca avaliadora, responsável pela seleção dos candidatos. Confira os bolsistas selecionados e os temas de pesquisa.