Esta biblioteca virtual é uma parceria do Instituto Escolhas com o Insper, replicada nos sites das duas instituições.

Precificação da água virtual para o Brasil e suas unidades da federação

Palavras-Chave: Precificação da água virtual; Valoração da água
Autor(es): Jaquelini Gisele Gelain, Elis Braga Licks e Alexandre Nunes de Almeida
Ano: 2017

Resumo: O objetivo principal do estudo foi precificar a água virtual – água presente no processo produtivo de qualquer produto. Para tanto fez-se a revisão da literatura sobre precificação de água e optou-se por utilizar como parâmetro de preços, os valores cobrados pelo uso dos recursos hídricos, uma vez que existe essa cobrança em alguns Estados brasileiros. O valor médio encontrado para o País foi R$ 0,01004/m³. Para os Estados apurou-se o maior valor, R$ 0,02301/m³, em São Paulo e o menor valor, R$ 0,00040/m³, nos estados pertencentes à Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Pernambuco e Sergipe).

Volume e valor da água virtual exportada através da soja pela região Sul do Brasil

Palavras-Chave: Região Sul; Exportação de água virtual; Exportação de soja
Autor(es): Jaquelini Gisele Gelain, Elis Braga Licks, Alexandre Nunes de Almeida e Márcia Istake
Ano: 2017

Resumo: O objetivo do estudo foi estimar o volume e o valor da água virtual presente na exportação de soja da região Sul do Brasil, no período de 2011 a 2016. Apurou-se que, em toneladas, houve aumento de 27,86% e, em termos monetários, US$, o aumento foi de 2,64%, comparando-se os períodos final e inicial. Quanto à água virtual, foram exportados 318.647,206 milhões de m³ de água. Sobre o volume de água virtual exportada, o aumento foi de 29,38%. O valor total implicitamente exportado com a água virtual foi R$ 3.186.472.061,06, representando um aumento de 29,38% no valor total dessa água.

Qual o impacto do desmatamento zero no Brasil?

Estudo coordenado por Sergio Leitão e Lígia Vasconcellos (Instituto Escolhas), com análise biofísica e de uso da Terra de Gerd Sparovek, Vinícius Guidotti (Geolab – Esalq/USP) e Luiz Fernando Guedes Pinto (Imaflora). Análise econômica por Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho (Esalq-USP), buscou responder qual o impacto econômico e social de zerar o desmatamento no Brasil.

Qual o impacto do desmatamento zero no Brasil? – Sumário Executivo

Estudo coordenado por Sergio Leitão e Lígia Vasconcellos (Instituto Escolhas), com análise biofísica e de uso da Terra de Gerd Sparovek, Vinícius Guidotti (Geolab – Esalq/USP) e Luiz Fernando Guedes Pinto (Imaflora). Análise econômica por Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho (Esalq-USP), buscou responder qual o impacto econômico e social de zerar o desmatamento no Brasil.

Qual o Impacto de Zerar as Emissões do Setor Elétrico no Brasil? – Sumário Executivo

Estudo coordenado por Lígia Vasconcellose Shigueo Watanabe Jr., do Instituto Escolhas, e elaborado por William Wills, da EOS Estratégia & Sustentabilidade, buscou responder qual é o impacto econômico, social e ambiental para o Brasil em cumprir a sua obrigação com a Convenção do Clima e, mais ainda, zerar suas emissões no setor elétrico até 2050.

Qual o Impacto de Zerar as Emissões do Setor Elétrico no Brasil?

Estudo coordenado por Lígia Vasconcellose Shigueo Watanabe Jr., do Instituto Escolhas, e elaborado por William Wills, da EOS Estratégia & Sustentabilidade, buscou responder qual é o impacto econômico, social e ambiental para o Brasil em cumprir a sua obrigação com a Convenção do Clima e, mais ainda, zerar suas emissões no setor elétrico até 2050.

Os frigoríficos vão ajudar a zerar o desmatamento da Amazônia?

Palavras-Chave: Desmatamento, frigoríficos, Amazônia
Autor(es): Paulo Barreto, Ritaumaria Pereira Amintas Brandão Jr. e Sara Baima. Com contribuições de Bruno Marianno, Ana Paula Valdiones e Glaucia Barreto.
Ano: 2017
Fonte: Imazon

Resumo: Os frigoríficos que compram gado da Amazônia têm sido pressionados por campanhas ambientais e processos legais a combater o desmatamento praticado pelos fazendeiros. Algumas empresas frigoríficas se comprometeram a comprar apenas de fazendas sem desmatamento após 2009. Sete anos depois do primeiro acordo, fomos a campo para responder se os frigoríficos, de fato, podem contribuir para zerar o desmatamento na região. Com base em dados inéditos e na revisão de estudos, mostramos que os acordos avançaram, mas muito ainda precisa ser feito para que o setor contribua efetivamente para ajudar a zerar o desmatamento na Amazônia.

Estimativa do volume e do valor da água virtual exportada pela região de Matopiba

Palavras-Chave: Matopiba, Água Virtual
Autor(es): Jaquelini Gisele Gelain, Elis Braga Licks, Alexandre Nunes de Almeida e Márcia Istake
Ano: 2017

Resumo: O presente estudo teve por objetivo estimar o volume e o valor da água virtual – água embutida no processo produtivo de qualquer produto – presente na exportação de soja da região de Matopiba (inicias dos estados Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) no período de 2002 a 2016. No tocante à água virtual, no período analisado, foram exportados 73.220,398 milhões de m³ de água, equivalente a 28.288.159 piscinas olímpicas cheias. Com relação à variação no volume de água virtual exportada, o aumento foi de 1.602,28%. No que tange à cobrança pelos recursos hídricos, o presente estudo identificou o valor total de R$ 75.702.134,11, implicitamente exportados com a água virtual presente na soja da região de MATOPIBA e a variação desse valor, entre o último e o primeiro período, resultou o aumento de 925,01% no valor total dessa água.

Estimating 20-year land-use change and derived CO2 emissions associated with crops, pasture and forestry in Brazil and each of its 27 states (Estimando a mudança de uso da terra de 20 anos e as emissões derivadas de CO 2 associadas às culturas, pastagens e silvicultura no Brasil e em cada um dos seus 27 estados – Tradução Livre)

 

Palavras-Chave: Uso da Terra
Autor(es): Renan ML Novaes, Ricardo AA Pazianotto, Miguel Brandão, Bruno JR Alves, André May, Marília IS Folegatti-Matsuura
Ano: 2017
Fonte: Global Change Biology

Resumo: A mudança de uso da terra (LUC) no Brasil tem importantes implicações sobre mudanças climáticas globais, serviços ecossistêmicos e biodiversidade, e a expansão agrícola desempenha um papel fundamental neste processo. As preocupações com essas questões levaram à necessidade de estimar a magnitude e os impactos associados a isso, que são cada vez mais relatados na avaliação ambiental dos produtos. Os cenários adotados fornecem um intervalo entre as taxas mínimas e máximas de emissões de CO 2 do LUC de acordo com diferentes possibilidades de transições de uso da terra, que podem ter grandes impactos nos resultados.

The shadow price of cooperative membership on agriculture in the Brazilian south and southeast regions (O preço-sombra da associação cooperativa sobre a agricultura das regiões sul e sudeste do Brasil – Tradução Livre)

Por meio de uma função lucro quadrática normalizada estimou-se o efeito marginal (preço-sombra) da associação a cooperativas no lucro agropecuário das regiões Sul e Sudeste brasileiras. Tais regiões são responsáveis por mais de 50% da produção agropecuária brasileira e possuem uma média de 24% dos estabelecimentos rurais associados a cooperativas. Com base nos resultados preliminares, observou-se um efeito positivo da associação de estabelecimentos agropecuários as cooperativas no lucro, para as regiões Sul e Sudeste. Adicionalmente, foi encontrado um efeito positivo da associação a cooperativas na oferta de produtos e demanda por insumos, indicando que, embora este fator fixo tenha elevado a oferta dos produtos analisados, também intensificou a utilização dos insumos variáveis

The likelihood of a water market in Brazil (A probabilidade de um mercado de água no Brasil – Tradução Livre)

O artigo examina os indicativos de um mercado de água no Brasil. O caso dos EUA, provavelmente o mais antigo e bem documentado, é inicialmente analisado. No Oeste Americano, as outorgas foram transformadas em direitos de propriedade há mais de 140 anos. Todavia, devido principalmente aos altos custos de transação, apenas recentemente o comércio se tornou regular. Analisando caso do Brasil, fica evidente que o país não tem um problema de disponibilidade hídrica como tem o Oeste Americano. Por outro lado, o Brasil tem uma pobre infraestrutura hídrica, de modo que mais de 35% das cidades tiveram falta de água por meses em 2012, embora o país tenha 12% da água mundial. Para iniciar um mercado, primeiro seria necessário transformar as outorgas em direitos de propriedade. Argumenta-se que isso seria uma oportunidade para forçar os usuários a investir em infraestruturas hídrica. Assim, um modelo é construído para estudar as condições em que o mercado levaria a uma situação Pareto superior.

The impacts of climate changes on agriculture production and adaptative strategies for family farmers in the Brazilian Sertão (Os impactos das mudanças climáticas na produção agrícola e estratégias adaptativas para a família Agricultores no Sertão Brasileiro – Tradução Livre)

Este trabalho analisa os impactos de mudanças climáticas na produção agrícola do semiárido da Bahia, o mais populoso estado do Sertão, e como estratégias adaptativas podem atenuar esses efeitos entre produtores familiares. Primeiramente, analisa-se a dinâmica das variáveis climáticas entre 1974 e 2013 na região. O estudo analisa quatro principais tipos de produção agrícola: leite, bovinos, caprinos, ovinos e milho. O objetivo final e geral deste estudo é discutir a eficácia das estratégias para os pequenos agricultores, que sejam capazes de criar resistência ao clima e atenuar os impactos negativos das alterações climáticas na produção agrícola desta região vulnerável socioeconomicamente.